Buscar

2019 - Múltiplos Únicos

Exposição no Solo Sagrado de Guarapiranga. Curadoria do setor Cultura e Arte, da Fundação Mokiti Okada -FMO.


Múltiplos Únicos

As obras de Norma Grinberg apresentadas nesta exposição assumem características modulares e distribuem-se revelando um caminho natural entre o plano (parede) e o volume autônomo (peças flutuantes). As peças aderem ao espaço como organismos vivos concebidos de uma geração de formas, transmutam o local, ao mesmo tempo que se adaptam a ele em um processo de transformação mútua.

Há nesses trabalhos a capacidade de dar relevância às relações, aos intervalos que são a respiração entre uma cerâmica e outra, entre um conjunto e outro.

Essa dinâmica que surge da obra intencionalmente gera um movimento no corpo como uma operação espiritual, uma vez que produz transformações eleva o espectador a se conectar com os elementos: terra, fogo, água e ar.

Formado de partículas e sedimentos de antigas rochas, o barro - apreendem do cada gesto da artista, é manuseado, unido, amassado, remodelado, fragmentado e, a partir da queima, no misterioso ciclo de sua existência e na eterna marcha do tempo, torna-se novamente rígido como rocha. Esse elemento e seu ciclo de transformação, trazido para o lugar edificado, nos leva a pensar que Norma tem o ser humano como parâmetro de fruição, seu corpo e sua escala como base de percepção e multiplicação em infinitas formas, integrado à natureza, ao solo.

Poderá o visitante construir percursos, deixar seus olhos a buscar objetos ou um grupo deles em série no espaço? Haverá um destino para os olhares depositados em cada relevo, volume, sequência de elementos vivos? Talvez o nosso próprio corpo que também se deixa ser visto. Quiçá mediante o encontro com a obra de Norma Grinberg seja possível perceber que a partir da soma de pequenos elementos - pequenas forças - pode surgir um conjunto, algo maior, coletivo, que transcenda a condição individual.


© por Emília Grinberg Filisetti & Daniel Filisetti.